quinta-feira, 11 de maio de 2017

# 744

MIRONES
Mirones de tudo, mirones de mulheres. Dizer os mirones é dizer pouco. Eles esperam, seguem, derivam, pacientam, ousam, trabalham com os dez mil dedos das duas mãos, ciciam convites, desembrulham obscenidades. Mais que mirones são batedores. Metem butes, exploram a zona, avaliam o mulherame, que pode não ser exactamente o miudame. Mirone não faz grande questão de escolher as vítimas por idades. Borracho ou dorázia, tudo lhe calha. Mirone é de boa boca. Seguirá até a coxinha, a estrábica ou a parecida com o pai, à simples suspeita de que alguma destas lhe dá sorte, lhe está a ligar. Tão capaz de longas marchas de aproximação, como do atracão repentino, o mirone quer é chegar à fala para então baratinar o material. Mirone é velho, novo, alto, baixo, insignificante, bem parecido, espadaúdo ou de peito nas costas. Mirone pode ser tudo. Caixeirinho, estudante, proprietário, pai de família, solteirão, viúvo, não sei que mais. Único requisito. Certa apresentação ou o que ele julga que é apresentação no trajar. Mirone pode estar apeado ou motorizado. Pode seguir a pé ou cercar de carro. Mirone pode ser dos de poiso certo ou dos deambuladores. Mirone trabalha sozinho ou em grupo. Em grupo é menos operático mas exibe mais palheta, maior desenvoltura verbal. Os machos que com ele emparceiram ajudam-no no seu espelhismo de muito homem. Mirone pode mostrar-se pessoa de maneiras mas a maior parte das vezes é grosseiro. Mirone pode ser imaginativo e engraçado mas acontece que quase sempre é chato e soez. Mirone é produto de um velho e tristíssimo equívoco. Até prova em contrário, todas as mulheres são fáceis. A mãe dele, mirone, à parte, claro. A ideia que o mirone faz da liberdade confina-se à dos seu próprios movimentos de mirone. As suas aproximações são regra geral mais dirigidas ao corpo do que ao espírito. Ele sabe com que material lida. A estatística dar-lhe-á razão? Mirones. Trotadores de ruas. Escavadores de passeios. Coçadores de ombreiras e de esquinas. Mirones, a estereotipia do ressentimento macho e da palavra. Mirones, nome insuficiente para uma actividade que se exerce, no dizer feliz de um poeta de há duzentos anos, "com os olhos, com a boca, com os pés, com as mãos e cotovelos".

(RTP Arquivos, 1971)